história; Acervo; Arquivo Nacional; arquivologia; revista científica; periódico científico; ciência da informação
Espaços urbanos e metropolização no Brasil (1940-1970)



acervo_v36_n1_bannerp3.jpg

A revista Acervo torna pública a chamada para o dossiê “Espaços urbanos e metropolização no Brasil (1940-1970)”, que tem como editores Raphael Rajão Ribeiro, doutor em História, Política e Bens Culturais pelo Centro de Pesquisa e Documentação em História Contemporânea do Brasil (Cpdoc/FGV) e pesquisador do Museu Histórico Abílio Barreto/Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte (MHAB/FMC), e Samuel Silva Rodrigues de Oliveira, doutor em História, Política e Bens Culturais pelo Cpdoc/FGV, professor e pesquisador no Laboratório de Estudos de História dos Mundos do Trabalho da Universidade Federal do Rio de Janeiro (LEHMT/UFRJ) e no Programa de Pós-Graduação em Relações Étnico-Raciais do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (PPRER/Cefet/RJ).

A proposta do dossiê é refletir sobre os debates recentes em torno do processo de metropolização das cidades brasileiras, pensado como fenômeno que tem seu início nos anos 1940 e se institucionaliza nos anos 1970, e sobre as potencialidades dos diferentes acervos documentais sobre a urbanização no Brasil na segunda metade do XX. Propõe-se uma percepção abrangente do fenômeno, não apenas do ponto de vista do planejamento urbanístico e da reconfiguração física das cidades, mas também das novas dinâmicas sociais, econômicas e políticas impulsionadas pela metropolização e pelas formas de sociabilidade e lutas pelo direito à cidade.

Em 2023, registra-se a efeméride dos cinquenta anos da legislação que inaugurou a regulamentação das regiões metropolitanas nas cidades brasileiras. O ano de 1973 foi o marco para a institucionalização das regiões metropolitanas (RM) com a lei complementar n. 14, que estabeleceu as RM de São Paulo, Belo Horizonte, Porto Alegre, Recife, Salvador, Curitiba e Belém. Trata-se da consolidação de um fenômeno histórico que se desenhava desde meados do século XX, impulsionado pela industrialização dos principais núcleos urbanos do país.

A partir dos anos 1940, diferentes cidades experimentaram um crescimento urbano-industrial acompanhado pela expansão da informalidade urbana dos subúrbios, vilas, favelas, invasões e periferias e pela politização dos territórios a partir de diferentes formas associativas. Se em 1940, cerca de trinta por cento da população brasileira habitava as cidades, em 1970, esse percentual era de mais de cinquenta por cento. A urbanização brasileira foi experimentada através da intensificação da migração rural-urbana e da organização de protestos para a luta pelo direito à cidade.

A sociabilidade construída nos espaços urbanos condicionou comportamentos, distâncias e segregações socioeconômicas e raciais, bem como configurou agências e identidades sociais e políticas. A historiografia tem contribuído para mostrar a heterogeneidade dessas formações urbanas e a maneira como a metropolização marcou não somente a paisagem e o contexto urbano brasileiro, mas foi constitutiva de novas subjetividades e experiências sociopolíticas.

As submissões devem ser encaminhadas até o dia 31 de agosto de 2022, pelo site da revista Acervo, para as seções Dossiê Temático e Resenha. O dossiê será publicado de forma contínua entre janeiro e abril de 2023. As contribuições devem estar de acordo com o foco e o escopo do periódico e seguir as normas editoriais.

Acesse: http://revista.arquivonacional.gov.br/index.php/revistaacervo/about/submissions

Dúvidas: revista.acervo@an.gov.br